Carta aberta ao Ministro da Saúde de Moçambique

Carta aberta ao Ministro da Saúde de Moçambique

COMPARTILHE

Exmo Senhor Ministro da Saúde da República de Moçambique,

Somos um grupo de trabalhadores do Sistema Nacional de Saúde (SNS), representando os órgãos centrais, Direcções Provinciais, Direcções Distritais e Unidades Sanitárias. Dirigimo-nos a vossa excelência porque ao nível dos nossos sectores não temos tido respostas às nossas inquietações.

Excelência, a gestão dos Sistemas de Informação para a Saúde (SIS) em Moçambique e das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) que os suportam está a cargo da Moasis, ONG registada em Moçambique e afiliada a Universidade Eduardo Mondlane.

A Moasis, dirigida pelo Sr. Alexandre Campione a partir da Cidade do Cabo (África do Sul), assinou há 5 anos um memorando do entendimento com o MISAU com o objectivo de melhorar a situação de saúde da população moçambicana, a partir da disponibilização de informações atempadas e fiáveis para a tomada de decisão. Importa realçar que o Sr. Alexandre Campione foi assessor para a área de Sistemas de Informação para a Saúde no MISAU. Aliás, todos os quadros séniores desta ONG trabalharam durante largos anos no SNS, como quadros seniores ou assessores.

O que é a Moasis? (http://www.moasis.org.mz/) Criada em Setembro de 2008, a Moasis é um Living Lab e organização de pesquisa sem fins lucrativos afiliado a Universidade Eduardo Mondlane e apoiada directamente pela Jembi Health Systems sediada na Cidade do Cabo (África do Sul).

A MOASIS é especializada na área de Sistemas de Informação para Saúde (SIS), normas e padrões de e-Health e tem como objectivos principais apoiar e fortalecer a área de Sistema de Informação para Saúde (SIS) e e-Health nos sectores privado, público e académico bem como de apoiar as acções de doadores na área do SIS e e-Health em Moçambique actuando como mediador independente e imparcial. O MOASIS é financiado pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC), World Health Organization (WHO), Twinning Center, Rockefeller Foundation, International Development Research Centre (IDRC), Health Informatics Public Private Partnership (HI-PPP) e fundos centrais da Jembi HS. Quais são as nossas inquietações?

1) Sistemas para a monitoria da mortalidade e da morbilidade hospitalar do país são geridos e alojados pelo Moasis (fora do SNS) e sem o envolvimento dos técnicos do SNS Excelência, tudo quem tem a ver com os sistemas de mortalidade e morbilidade hospitalar só é do domínio do Moasis, nós os técnicos do SNS estamos completamente excluídos. Isso tudo acontece com a permissão dos nossos chefes / directores.

Excelência, neste momento está a ser desenvolvido o nosso sistema de monitoria e avaliação (SIS-MA) e nós os técnicos do SNS estamos completamente a margem deste processo. De novo esta organização está a frente de todo o processo, assumindo os papeis mais importantes para continuar a mandar em tudo.

2) Dados do SNS não fiáveis o que acarreta decisões erradas e perda de confiança por parte dos utentes e parceiros de cooperação. O sistema de rotina de recolha e processamento de dados do MISAU (Módulo Básico) não nos dá confiança nehuma. Apresenta, para os mesmos dados, relatórios totalmente diferentes. Essa situação piorou quando a Moasis assumiu o Módulo Básico passando a programar novas fichas e relatórios. Excelência, todos os resultados produzidos a partir do Módulo Básico deste que o Moasis se tornou dona dos SIS e TIC no SNS não reflectem a realidade do estado de saúde de Moçambique. Dados de muitos relatórios são inventados para mostrar bons serviços aos doadores.

3) Marginalização dos RH do SNS com o objectivo de enfraquecer o SNS e continuar a beneficiar de ganhos (financiamentos de doadores). Recentemente, alguns de nós foram transferidos da Direcção Nacional de Planificação e Cooperação (DPC) por criticarem como alguns departamentos / sectores são geridos. As nossas preocupações que já são do conhecimento dos nossos chefes / directores mas que continuam sem solução tem a ver com:

· Contínua degradação da qualidade das informações usadas para a tomada de decisões no SNS;

· Exclusão dos técnicos do Misau na gestão do dia a dia dos aplicativos em funcionamento nas províncias, distritos e hospitais;

· Exclusão dos técnicos do Misau nas capacitações internas e externas;

· Exclusão dos técnicos do Misau nas missões de manutenção ou supervisão nos níveis provincial, distrital e unidades sanitárias. Em suma, a Moasis tem autonomia total para colher, processar e disseminar os dados de saúde em Moçambique.

Excelência, as informações que usa para a tomada de decisões sobre o estado de saúde em Moçambique são produzidas a partir de dados errados, seja por erros no preenchimento

Excelência, as informações que usa para a tomada de decisões sobre o estado de saúde em Moçambique são produzidas a partir de dados errados, seja por erros no preenchimento ou por erros de programação do aplicativo Módulo Básico (também gerido e implementado pelo Moasis).

4) Concorrência desleal por parte da Moasis A Moasis age como árbitro e jogador: em muitos casoss aparece como desenvolvedor e implementador de sistemas de informação para a saúde. Em outros casos aparece com representante do MISAU, promovendo concursos públicos, entrevistando os candidatos e celebrando contratos. Excelência, a gestão e implementação de aplicativos como Sistema de Informação de Saúde para a gestão Hospitalar (conhecido por SIS – H e desenvolvido pela Pandora Box) e Módulo Básico (desenvolvido por um consultor afeto a DPC) para não citar outros tantos, foi transferida do MISAU para a Moasis. Atualmente a Moasis é responsável por todas as decisões (estratégicas e operacionais) sobre os SIS e TIC a todos os níveis (central, provincial, distrital e US).

5) Sobrefaturação de atividades por parte da Moasis Nos casos em que é o Moasis a gerir os contratos, como angariadora de fundos, ela especula os preços dos aplicativos ou atividades. Outra forma usada para saquear o dinheiro dos parceiros de cooperação, é planificando atividades (formações, viagens e perdiems) incluindo os técnicos do Misau que são excluídos no momento de execução dessas atividades / formações.

Para atingir os seus objectivos, o Moasis oferece prendas, salários, viagens e até mesmo emprego a alguns familiares de pessoas importantes do SNS. Excelência, isso cria descontentamento e desmotivação entre nós os técnicos do Misau, que ficamos sem trabalho, sem formação e sem nenhuma perspectiva de vida. Pedimos a intervenção de sua excelência para parar com os desmandos promovidos pela Moasis aqui no Misau sob o risco de destruirmos o que se conquistou com muito sacrifício. Pedimos também bolsas de estudos e formações em serviço de modo a aumentarmos as nossas qualificações acadêmicas e profissionais.

Por último queremos pedir as nossas sinceras desculpas por não nos identificarmo-nos, mas como deve imaginar excelência, temos medo ser ser transferidos ou até mesmo de ser expulsos do SNS. Mas todos os factos aqui narrados podem ser facilmente verificados e provados.

Muito obrigado pela atenção

Grupo de profissionais do SNS

Fundador do Moçambique Media Online - MMO. Escrevo sobre Gastronomia, Arte, Cultura e Curiosidades de Moçambique. Trabalho como Consultor de Marketing Digital e afins.

COMENTE PELO FACEBOOK

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA