Mudança de atitude na Quadra festiva

Mudança de atitude na Quadra festiva

COMPARTILHE

Pensando bem, eu gosto de falar de assuntos que aparentemente não me dizem absolutamente nada. Em condições normais primeiro observo e depois falo ou escrevo. Existem pessoas que até gostam (agradeço desde já aos meus fieis leitores) e outros têm tendência a tornar tais assuntos em “assuntinhos” (agradeço a estes também porque primeiro tem que ler para depois criticar).

Como estamos na quadra festiva, vou falar das festas, mas vou olhar um pouco para o lado “obscuro” destas festas. Lembro-me que quando éramos crianças podíamos ficar meses sem comer carne, bolo, até tomar refresco, mas bastava chegar o mês de Outubro os nossos pais começavam a preparar as festas de natal e fim de ano. Normalmente, compravam-nos roupas novas, sapatos e as meninas tinham um look novo na cabeça, que era mesmo para a ocasião.

Nesses dias, em condições normais, e em todas as casas, a mesa era farta e toda visita era convidada para beliscar, sem contar que girávamos em casa dos familiares, pelo menos os que viviam perto, sempre a meter algo na boca ou a tomar um refrigerante.

Os tempos passaram. Crescemos. Os hábitos mudaram drasticamente. Agora parece que ninguém liga muito para festas, claro que existem os mais tradicionais que ainda cumprem religiosamente com as datas, sobretudo o dia da família, mas muitos pensam no mês de Janeiro, que é tido como mês de fome.

Naquela época durante a semana de natal e ano novo vivia-se muito bem na maior parte das famílias, mas depois começava a confusão. Ainda na primeira semana de Janeiro tinha que se fazer ou renovar matriculas das crianças, comprar material escolar, uniformes e por ai em diante.

Existiam famílias com quatro ou cinco filhos na escola. Imaginem a confusão. Parece-me que ultimamente o mais importante é passar o dia e quanto menos gastos, melhor é. E a mania pegou. Muitas famílias estão a fazer isso.

A verdade é que nos dias de festas nem se come como deve ser. Acredito que seja porque há abundância de tudo. Comida, bebida, sumos, bolos e por ai…. Mas, uma coisa ainda funciona, muitos aproveitam o final de ano para sair e mudar de ares, os locais escolhidos são preferencialmente as praias que este belo Moçambique possui.

Há dias, lá estava eu a fazer um trabalho que consistia exactamente em fazer uma ronda pelos mercados de Maputo, ver como anda o movimento e os preços de produtos básicos. Confesso que fiquei meio intrigada. A verdade é que produtos não faltavam e aquela especulação que existia nos anos anteriores, nem sinal e o mais agravante é que nem pessoas a comprar estavam lá.

Resultado: os preços continuavam baixos, tinha muito produto a apodrecer e não haviam compradores. As justificações eram de que precisavam pensar na escola dos meninos, não havia dinheiro e que todos os dias são de festa.

Cá para mim, não sei se isso é bom ou mau. Acredito que caberá a cada um de nós analisar, mas é bom ver que os moçambicanos estão a ganhar a mentalidade de que a vida não pára por causa de dois dias de festa e isto, sem querer ofender.

Boas festas aos leitores do Moz Maníacos e um 2014 cheio de sucessos

Pronto…fui

Colaboradora do portal de 2011 a 2013. Escrevo sobre Moçambique e sobre os moçambicanos.

COMENTE PELO FACEBOOK

6 COMENTÁRIOS

  1. Fruto da dificuldade da vida na era Guebuza. Em todo o mundo, inclusive o ocidente ha muitos exageros no natal, o natal deve ser memoravel. O que esta a acontecer nao tem nada a ver com a mudança de mentalidade, mas sim mudança do custo de vida.

  2. Por mim e muito bom, as pessoas pensam no futuro agora e nao em momentarismos. espero que continuemos assim e facamos mais poupancas para o futuro das nossa criancas.

DEIXE UMA RESPOSTA