Moçambique Crime Perfeito #5: Roubo de 100 Milhões em Diamantes

Crime Perfeito #5: Roubo de 100 Milhões em Diamantes

COMPARTILHE
Roubo de 100 Milhões de $ em Diamantes

Aproximadamente 7h da noite de uma sexta-feira, 14 de Fevereiro de 2003, a “Escola de Torino” estava prestes a realizar o maior roubo de diamantes que o mundo já viu. Leonardo Notarbartolo, o líder da quadrilha, supostamente permaneceu no cofre na sexta-feira, quando as portas de segurança se fecharam automaticamente. Algumas horas depois, o elevador que desce até o cofre foi supostamente usado por três outros membros da Escola. O detector de movimento ao pé do elevador já havia sido desactivado por uma aplicação de spray de silicone, e o detector de luz do cofre tinha sido inutilizado com um simples pedaço de fita.

O acesso ao cofre não era tão fácil como entrar nele. O cofre em si era protegido por um sistema de bloqueio dual: uma combinação e uma fechadura com chave, com aço reforçado. A parte fundamental foi fácil, já que duplicatas da chave tinham sido feitas com antecedência. A fechadura de combinação foi um pouco mais difícil, e a polícia ainda não divulgou informações de como eles conseguiram quebrá-la.

Por trás dessas duas fechaduras havia um alarme de segurança que notificava a polícia assim que o cofre era aberto (quando os ímãs não se tocavam mais, o alarma soava). O alarme era automático e não podia ser desligado. O cofre foi derrotado com o mais minimalista dos movimentos: o grupo de assaltantes cortou os ímãs de seus locais de repouso e os deixou juntos, permitindo que a porta do cofre fosse aberta sem separar os ímãs.

Dentro do cofre, a Escola arrombou a porta pesada, sabendo que não seriam perturbados enquanto realizavam o maior roubo de diamantes da história. Eles invadiram 160 caixas de segurança, estourando fechaduras com uma ferramenta que eles criaram especificamente para o trabalho.

Esses profissionais não se limitaram a pegar os diamantes, dos quais o comércio é muito mais restrito do que a maioria crê; eles também pegaram a papelada necessária para vender os diamantes como legítimos. O que não poderia ser facilmente revendido, itens com valores combinados totalizando na casa dos milhões de dólares, foram deixados descuidadamente no chão do cofre.

No momento em que o assalto havia sido descoberto, os ladrões estavam muito longe. No entanto, o suposto líder da quadrilha, Leonardo Notarbartolo, foi condenado com base no DNA encontrado em um sanduíche comido pela metade encontrado perto da cena do crime. Ele foi condenado a 10 anos de prisão. Os outros membros da Escola nunca foram apreendidos e é improvável que serão, porque o estatuto de limitações já expirou ou expirará em breve.

Hypescience

COMENTE PELO FACEBOOK

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA