X

Novas Tendências e a Sexualidade

Já desde os tempos mais remotos, os homens são ensinados, a partir da sua nascença, a viver e comportar-se de acordo com o seu género e a sua orientação sexual. Ora, os rapazes brincam com carrinhos e as meninas com bonecas e panelinhas.

Este separatismo estende-se até às cores: azul para eles e rosa para elas.

Mesmo assim, com o avanço

das tendências contemporâneas da moda, nota-se nos últimos dias, homens que se apresentam à sociedade desvinculados desses preceitos separatistas que regem o papel social.

Segundo o influx-blog, a palavra swag teve origem na gíria escocesa swagger, usada para referir a maneira oscilante de andar dos escoceses e mais tarde ganhou o sentido de estilo e atitude, forma como alguém se comporta, apresenta-se e conduz o seu estilo de vida.

Quem é swagger chama atenção porque deixa sempre (muitas vezes de forma excessiva) uma impressão única por onde passa. Porém, a palavra swagger, usada muitas vezes de forma abusiva, ganhou um significado diferente e porque não um acrónimo? ‘Secretly we are gays’ (que em português significa – secretamente nós somos gays)

A palavra swagger atingiu uma popularidade que está presente até no mundo da música. É com base no swag e nas novas tendências, que mesmo na companhia das suas parceiras, homens mostram-se para o mundo trajados de roupas e acessórios exclusivamente femininos. Saímos à rua para ouvir…

Rogério Langa, residente em Maputo, em conversa com o MMO disse “Não vejo problemas em um homem vestir-se de saia, do mesmo jeito que as mulheres vestem calças, tiram o cabelo todo. Acho que eles querem mostrar que também são frágeis”, afirmou.

Muito embora não se sinta capaz de vestir-se a “mulher” Langa diz não ter nada contra os homens que põem saias e calças apertadas.

Por seu turno, José Belmiro disse de forma categórica que a moral está em crise. “Uma coisa é orientação sexual, outra é não saber definir o padrão de moda. Sinceramente, isso é um absurdo”, concluiu.

Belmiro disse ainda que alguns aproveitam-se do swag para dizer aos que estão à sua volta, mesmo que de forma indirecta, a sua real orientação sexual. “Igualmente virou moda para alguns promotores de eventos inventar festas de fantasias, enquanto é mesmo para os homo e ou bissexuais revelarem-se. Não condeno, mas também não gostaria de ser assim”, rematou.

Entre os prós e contra, a equipa do MMO tentou auscultar o posicionamento de algumas mulheres, onde a Kátia Linda disse: “nem na idade de me apaixonar por barbaridades eu me encantei por homem que apenas usava brincos, por mais pequenos que fossem, quanto mais de saia. Um pouco demais para mim. Aceito os contornos da moda, mas homem é sempre homem.

Por sua vez, Sheila Mamudo referiu que “não tenho nada contra os gays, mas um homem de verdade teria muitos problemas em vestir-se como mulher e eu nem quero me imaginar do lado desse homem, pois não entenderia se estaria com o meu parceiro ou com uma amiga” frisou.

Caso para referirmo-nos ao Swagger como uma forma irreverente de ser, todavia é muitas vezes aliado à orientação sexual.

Ver Comentários (16)

  • As sociedades nã são estáticas. O fenómeno globalização acompanhado com rápido desenvolvimento tecnológico, encurtou distâncias entre continentes, promovendo rápida aproximação entre povos. Moçambique, não é uma "ilha". Ocorre aqui a interculturalidade. ou seja, há um contacto entre culturas, onde há riprocidade de trocas. Ocorre k as culturas não são estanques... esta, a razão k explica a proliferação dos swaggers, a partir da Escócia para moda e manifestação de estilos musicais de outros países, incluindo moçambique. Os padrões comportamentais sofrem inovações ao longo do tempo. Não há valores k se perdem, mas há dinâmicas na vida em sociedade. Não vejo crise alguma da moral. As convenções sociais são mutáveis ao longo do tempo...É um facto que há desvios comportamentais que desafiam os valores padronizados, logo há sanções de vária ordem. Outrossim, os valores impõem-se sobre os indivíduos. Os indivíduos incorporam esses valores, não obstante, com uso da razão esses têm a prorrogativa de refutar ou inovar as regras padronizadas. Aliás, os mesmos indivíduos participam no ordenamento desses valores. Distante de uma análise ponderada sobre a moda, modelos comportamentais, caimos no risco de posicionamentos dogmáticos, essencialistas,estereótipos, preconceitos, juízos de valores, que em última análise pode desaguar em estigmatização, etnocentrismo, etc. Aliás, foi assim que ocorreu o fenómeno Eurocentrismo; e nos dias que ocorrem, assistimos a xenofobia. Enfim, interessa observar, por outro lado, que os agentes da socialização primária ( a família), que outrora, tinha o peso significativo na transmissão de valores e formação da personalidade dos indivíduos, nos dias que ocorrem, concorre com outros agentes em pé de igualidade na mesma função. Na idade tenra, os filhos em nossa sociedade, devido as mutações sociais, económicas, políticas e o progresso tecnológico, são socializados em escolinhas. Em casa, passam a vida em frente ao ecran do televisor, na net acompanhando a vida e a cultura de outros povos...um facto que me leva a questionar: Até que ponto a família preserva o papel de socializador primário sem entrar em conflito com outros agentes de socialização, conhecendo por exemplo a velocidade k tem a televisão como agente socializador? Entao, cada País, Povo participa na vida em sociedade orientado por sua(s) cultura(s), porem, em contacto com outros povos ocorre a inculturação e aculturação. A minha subjectividade me leva a distanciar-me dos rótulos, e olhar para a complexidade cultural e as dinâmicas sociais que ocorrem no tempo e no espaço. Tenho dito: o xiconhoca de ontem regeitado na nossa sociedade, é hoje na mesma sociedade o empreendedor merecendo apravação social e recomenda-se como exemplo a seguir para aliviar as crises socio-económicas. Longo, mas para dizer que, não é pela moda/estilo swagger, o suficiente para rotular um homem como homosexual. Não é pelo brinco na orelha o suficiente para rotular um rapaz como homosexual...E mesmo perante individuos na condição de homosexuais, não vejo razões suficientes para julgamentos! homosexuais, bisexuais, heterosexuais, são indivíduos participando na vida em sociedade com uma inclinação sexual a partir de razões biológicas, sociais, psicológicas, etc, dignos de serem tratados com "normalidade" . Na mesma linha, não encontro motivos suficientes para questionamentos sobre os diversos papéis sociais assumidos comulativamente por homens e mulheres sem distinção do género: Quem deixa de ser homem por preparar refeição em casa? A mulher perde o atributo pelo facto de concertar a cadeira quebrada com uso de martelo? -Trata -se apenas de diversidade de papéis!

  • Apenas novas tendências, nada influencia na sexualidade. A mulher ja revolucionou isso há bastante tempo, foi mais ousada, hoje ela vestida completamente a homem, ninguém repara. Agora é a vez do homem. Curioso, mas só consegue usar uma saia homem q é homem de verdade. Van Percy

  • N vejam problema onde n existe. Essa saia é masculina se vocês nunca passaram pela escócia lamento mas ainda vÃo a tempo. deveriam processar a pessoa que usou a imagem deles. Saiam um pouco da Áfica antiga. Cresçam e apareçam, Missboss Adila e Van Percy peço uma saia dessas

    • Meus caros, respeitando a apiniao de todos... Na Escocia é cultura homens usarem saia, o que não é em Moz. A siciedade escocesa aceita homem com saia tanto quanto Moz aceita mulher com calças, porem no mundo islamico mulher e calças nao s misturam. Em fim, cada povo com sua cultura. Respeitemos a cultura dos outros assim como a nossa...

  • Saia chit ya o mundo esta acabar sim. Se fosse uma malaia vala saia agora so falta ele por calcinhas se preconceitos.

  • Quem fez este post nao sabe oque escreve, e estou desapontado com os meus bradas que deram like a coisas sem sentido

Comments are closed.