Filipe Jacinto Nyussi

Filipe Jacinto Nyussi

Filipe Jacinto Nyussi  (9 de Fevereiro de 1959, Cabo Delgado) é um engenheiro e político de Moçambique, actual Ministro da Defesa do país. Formou-se em Engenharia mecânica na antiga Checoslováquia.

Nascido em Namau no distrito de Mueda, província de Cabo Delgado, Nyussi estudou engenharia mecânica na Checoslováquia e Gestão na Universidade de Manchester, na Inglaterra. Ele recebeu formação complementar em gestão na Índia, África do Sul, Suazilândia e nos Estados Unidos.

Antes da sua nomeação para Ministro pelo Presidente Armando Guebuza, Nyussi trabalhou como quadro dos Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM). Nyussi tornou-se director-executivo da CFM-Norte, a divisão norte da empresa em 1995, e juntou-se ao conselho de administração da companhia em 2007.

De 1993 a 2002, Nyussi actuou como presidente do Clube Ferroviário de Nampula, um clube de futebol com sede em Nampula. Ele também foi professor na Universidade Pedagógica de Nampula. Actualmente é membro da Iniciativa de Liderança África e do Comité Nacional dos Combatentes da Luta de Libertação Nacional.

Ministro da Defesa

Nyussi assumiu o cargo de Ministro da Defesa em 27 de Março de 2008, sucedendo Tobias Joaquim Dai. A nomeação de Nyussi veio quase exactamente um ano depois do incidente do paiol de Malhazine, que matou mais de 100 pessoas e destruiu 14.000 casas. A comissão de investigação nomeada pelo governo concluiu que negligência desempenhou um papel importante no desastre, e Dai “foi acusado por muitos de não agir a tempo de evitar a perda de vidas”. Embora nenhuma razão oficial tenha sido dada para a exoneração de Dai, pode ter sido uma “reacção tardia” ao desastre Malhazine.

Candidato à Presidência da República

Filipe Nyussi foi eleito candidato do partido Frelimo às eleições presidenciais de Outubro de 2014. Nyussi derrotou na segunda volta Luísa Diogo ao conseguir um total 135 votos equivalentes e 68% contra 61 votos equivalentes a 31 % da sua adversária.

15 COMENTÁRIOS

  1. Estudou sim + um academico pensa e dve ascender ao cargo por competencia e nao por guarnecer ou lambe bota de chefe.FADM e FIR estao cansados vao em accao e sempre a perder.ele tbm saira a perder.o povo nunca vai ter a confianca destes k queimam palhotas de um pacato campones.Frelimo e renamo entendam se e o povo volte a sua vida normal.

  2. Felipe Nhussy é o nosso candidato, força a vitoria é certa, convido a Maria Antas a visitar a Cidade Beira que ta cheio de burracos, as valas de drenagem estão cheio de capim, a cidade virou um mercado aberto pr todod os cantos.

  3. A força dos militares da velha guarda perante um poder político desgastado , ultrapassado e vendido aos vendilhoes do Templo. Para quando uma subordinaçao do poder miliitar ao poder político? Valha-nos se Deus quiser o Daviz Simango se lá conseguir chegar e o povo assim o quiser em eleiçoes livres justas e democráticas, sem as golpadas habituais, nao vos sobra muito mais tempo para Moçmbique poder figurar no mapa, como País de futuro sobretudo em prol do povo MOÇAMBICANO, que bem o merece e anseia. Fora com os vendilhoes do Templlo duma vez por todas, já lá estao há demasiado tempo apenas em benefício próprio e da pandilha do costume.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here