Cancro do estômago

O cancro do estômago é a terceira causa de morte por cancro para ambos os sexos, em todo o mundo. Conhecida como câncer gástrico, os tumores do estômago aparecem em terceiro lugar na incidência entre homens e em quinto entre as mulheres.

Tipos

Geralmente, o cancro de estômago se apresenta em três tipos distintos: adenocarcinoma (correspondente a 95% dos casos), linfoma (3% dos casos) e leiomiossarcoma (2%).

Adenocarcinoma é um tipo maligno de tumor que acometem células secretoras e que podem acontecer em qualquer parte do corpo.

Linfoma é um tipo específico de tumor que afecta células do sistema linfático.

Leiomiossarcoma é um tipo de tumor que afecta os tecidos que dão origem aos ossos e músculos do corpo.

Causas

Não se sabe ao certo o que causa o cancro de estômago, mas sabe-se que há uma forte correlação entre a infecção pelo H. pilory, uma dieta rica em sal e em alimentos defumados e em conserva e o desenvolvimento de câncer gástrico. Geralmente, o cancro de estômago começa quando ocorre um erro no DNA da célula. Essa mutação faz com que a célula cresça e se multiplique rapidamente. As células cancerosas acumuladas formam aquilo que chamamos de tumor, podendo invadir outras partes do corpo também, podendo se espalhar por todo o organismo.

Mas, algumas causas também se devem aos seguintes:

Excesso de sal

Dados também sugerem que elevada ingestão de sal é importante na etiologia do cancro gástrico, principalmente se a exposição ocorrer desde o início da vida. O sal proveniente de alimentos em conserva, carne processada, produtos de charcutaria e peixe salgado danifica a mucosa estomacal e aumenta a susceptibilidade ao tumor.

Sexo

Os homens têm um risco duas vezes maior de desenvolver cancro gástrico do que as mulheres, o que pode ser explicado por dados preliminares que sugerem que as hormonas têm um papel protector contra a doença.

Agentes ocupacionais

A exposição a agentes ocupacionais, como os do setor de mineração de carvão, processamento de metais (aço e ferro) e indústrias de fabricação de borracha, também são fatores de risco importantes.

Carnes processadas

A Agência Internacional de Pesquisa sobre Cancro da Organização Mundial de Saúde (IARC) concluiu que há uma associação positiva entre o consumo de carne processada (salsichas, bacon, presunto, carne seca e outras carnes defumadas, salgadas, fermentadas ou curadas) e cancro do estômago, sendo esses alimentos classificados como substâncias cancerígenas do grupo 1, a mesma categoria de risco para cancro que o amianto, tabaco e álcool.

Obesidade, fumo e álcool

Outros factores ambientais, como a obesidade, o uso de tabaco e o álcool, também estão associados ao risco aumentado para desenvolver cancro gástrico.

Substâncias nitrosas

O contacto com componentes nitrosos provenientes de alimentação, fumo e fontes ambientais, os quais reduzem a acidez do estômago e aumentam a chance de lesões pré-cancerosas.

Bactérias e vírus

Infecções causadas pela bactéria Helicobacter pylori e o vírus Epstein-Barr estão associadas a um risco mais elevado de aparecimento de cancro do estômago. Acredita-se que a infecção pelo H. pylori desencadeie uma inflamação na mucosa que resulta em modificações progressivas do revestimento do estômago. O vírus Epstein-Barr, conhecido como causa da mononucleose infecciosa, foi inicialmente associado ao cancro gástrico num estudo realizado na Coreaia, no qual foram encontradas provas em células tumorais de pacientes. Desde então, estima-se que 5% a 10% dos tumores gástricos em todo o mundo estejam associados a esse vírus.

Outras causas

Outros factores que podem estar associados são genéticos, pólipos gástricos, úlceras, anemia perniciosa e síndromes de imunodeficiência.

Sintomas

O cancro do estômago pode ser difícil de detectar precocemente. Geralmente, não há sintomas nos estágios iniciais e antes de ser detectado, o tumor já está metastizado. Quando há sintomas, geralmente não são específicos, mas provocar os seguintes sintomas:

  • Indigestão ou sensação de ardor (azia)
  • Desconforto ou dor no abdómen
  • Náuseas e vómitos
  • Diarreia ou obstipação
  • Dilatação do estômago, após as refeições
  • Perda de apetite
  • Fraqueza e cansaço
  • Hemorragia (vómito de sangue ou sangue nas fezes)

Ajuda médica

Se você tem sinais e sintomas que possam estar relacionados ao cancro de estômago, marque uma consulta com um médico, que investigará as causas mais comuns destes sinais e sintomas e poderá orientá-lo adequadamente.

Factores de risco

Os médicos apontam alguns factores como de risco para o desenvolvimento de um cancro no estômago os seguintes:

  • Alimentar-se por uma dieta rica em alimentos salgados, defumados e em conserva
  • Ter uma dieta pobre em frutas e legumes
  • Comer alimentos contaminados
  • Ter histórico familiar de câncer de estômago
  • Ter uma infecção por Helicobacter pylori
  • Sofrer de uma inflamação do estômago a longo prazo
  • Ter anemia perniciosa
  • Ser fumante
  • Apresentar pólipos do estômago

Tratamento

As opções de tratamento disponíveis para o cancro de estômago dependem do estágio da doença. A cirurgia é, geralmente, o meio mais utilizado para curar o paciente. Sessões de quimioterapia e radioterapia também podem ajudar. Elas podem ser feitas também após ou antes da cirurgia, aumentando as possibilidades de cura do paciente. O médico também poderá descrever alguns medicamentos que agem sobre algumas células tumorais específicas.

Cura

O resultado do tratamento varia. A profundidade na qual o tumor invade a parede do estômago e as ocasiões em que os nódulos linfáticos estão envolvidos quando o paciente é diagnosticado influenciam nas chances de cura. Quando o tumor foi disseminado para fora do estômago e já está espalhado pelo corpo, a cura é menos provável e o tratamento é direccionado à melhoria dos sintomas.

Prevenção

Como ainda não está claro o que causa o cancro do estômago, ainda não se sabe uma única maneira de prevenir. Mas você pode tomar medidas para reduzir o risco da doença fazendo pequenas mudanças em sua vida quotidiana. Você pode comer mais frutas e legumes, reduzir a quantidade de alimentos salgados e defumados em sua dieta e parar de fumar literalmente.