Textos Crónicas Um olhar Lúcido sobre o “Parque dos Poetas”

Um olhar Lúcido sobre o “Parque dos Poetas”

COMPARTILHE
Um olhar Lúcido sobre o “Parque dos Poetas”

Antes de iniciar a explicação sobre  motivo que levou-me a
elaborar esse artigo,permitam-me parabenizar aos gerentes do “Parque dos
Poetas” na Matola, pelo óptimo trabalho que vem efectuando na gestão desse magnifico
centro de lazer de comercio,deste modo,contribuindo para o desenvolvimento do Município da Matola, e o bem estar dos seus utentes.

Mas deixarei aqui  algumas criticas em alguns aspectos em
que,posso considerar a vossa intervenção como desastrosa e que eu, como Moçambicano em primeiro lugar,e como amante da Poesia, não  poderia deixar passar em branco ,e fingir assim
como tantos outros,que nada de grave se esta a passar.

Após ter acedido à vossa pagina “Parque dos Poetas Matola” no Facebook, dei de cara com o vazio para aquilo que o nome deste tão estimado
parque ostenta. Não pude deixar de admirar, sentir-me condoído e revoltado com o
resultado da minha busca. Procurei em primeiro alguma informação que pudesse me elucidar ,no porque do tal nome atribuído ao parque. Não encontrei! Em
seguida alguns eventos que pudessem estar a ser promovidos no que diz respeito
a Poesia… E mais uma vez,nada encontrei! Incansavelmente “vou as fotos” para
ver se “dava de cara”  com a imagem de
algum poeta recitando … no tão estimado “Parque dos Poetas”,mas o resultado da
minha busca foi igualmente insatisfatório!

Não pude conter-me
perante tanta futilidade.Tudo aquilo que eu buscava,,foi substituído por imagens
do parque,a relva,os bancos,a nova pastelaria por abrir e um outro sem fim de
coisas “sem nada de especial”. Subitamente surgiram-me perguntas:

– Se o nome do parque
e’ “Parque dos Poetas” porque que não há nada ligado a Poesia,nada de poético?

– Será que o nome atribuído foi somente uma estratégia de Marketing? Porque eu,assim como os
outros,fui enganado ao aceder tal pagina,na esperança de que encontraria algo
mais para alem do comercio,que 
promovesse e fortificasse ainda mais a poesia Moçambicana.

Não sei se o parque
foi assim baptizado porque o nome já la estava antes da sua construção,ou se foi
propositadamente atribuído para que  os
poetas sirvam de isca.Porque se assim for,desculpem-me, não me calarei ate que
algo seja feito,pelo bom nome da Poesia Moçambicana!

Que saibam dignificar
o nome que o parque ostenta,que não usem os Poetas como “chamarizes de
clientela”.Que não deixem essa obra obra de arte da Literatura cair no vazio,e
que vazio!

Pelo que tomei
conhecimento,no Magnifico parque tem decorrido festas,concertos,entre outro
tipo de eventos… mas sempre a poesia e’ deixada de lado, ignorando deste
modo,”aquilo que o próprio parque e’ ”,ainda mais tendo uma editora/livraria…
dentro desse tão belo recinto.Porque não apostar na promoção de novos talentos
da literatura…? Numa época em que carecemos de solidificação da nossa cultura,que
esta em constante degradação  Mas nada disso veio a tona,apenas observei crianças brincando em karts,publicidades sobre a prestação de serviços de cada estabelecimento… tudo isso e mais um pouco de algo fútil.

Nos,os poetas,estamos
ao vosso dispor para ajudar na promoção dos eventos do género ajudar no
desenvolvimento sócio cultural da nossa Pátria Amada.Pois como eu disse uma
vez,se factos como esses forem esquecidos, seremos uma nação “despida”, teremos
um hino,leis… e um povo sem alma.

Profile photo of Chil Emerson David
Emerson David de A. Chiloveque, 24 anos de idade, nacionalidade moçambicana. Estuda Relações Internacionais e História, em Tula, Rússia. Assumiu-se escritor amador há 2 anos. Chil escreve contos, crónicas e artigos para jornais e blogs. Enamorado pela arte, Chil encontrou na escrita a paz que precisa para contribuir para o desenvolvimento e enriquecimento cultural da humanidade.

COMENTE PELO FACEBOOK

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA