Entre as verdes encostas do Monte Kilimanjaro, o povo Chaga compartilha uma história antiga, que transcende gerações. Esta narrativa conta sobre uma jovem que, acompanhada de suas amigas, partiu para cortar capim em uma bela manhã.

Ela avistou um lugar onde a grama crescia bela e densa. Porém, ao pisar ali, começou a afundar na lama espessa que se escondia sob o tapete verde.

Suas amigas tentaram agarrar suas mãos numa tentativa desesperada de salvá-la, mas a jovem afundava cada vez mais no lodo, desaparecendo diante dos olhos atônitos de suas companheiras, enquanto cantava que os espíritos a haviam levado e que seus pais deveriam ser avisados.

As meninas, tomadas pelo pânico, correram de volta à aldeia e convocaram todos os moradores para o atoleiro.

Um adivinho, consultado naquela ocasião, aconselhou que uma vaca e uma ovelha fossem sacrificadas como oferenda aos espíritos, na esperança de apaziguá-los.

Após o sacrifício, a voz da menina foi ouvida novamente, embora, com o tempo, tenha desvanecido até cair em completo silêncio.

No entanto, exatamente no local onde a jovem havia afundado, uma árvore começou a brotar. Ela cresceu, alcançando alturas imensuráveis, até tocar o céu. À medida que a árvore se erguia, a lama transformava-se em solo firme.

Essa árvore tornou-se um refúgio sob o qual os meninos abrigavam seu gado do calor escaldante do meio-dia.

Certo dia, dois rapazes, impulsionados pela curiosidade e pelo desejo de aventura, escalaram a árvore, gritando para seus companheiros que estavam a caminho do mundo acima. Eles nunca mais foram vistos.

Desde então, essa árvore é conhecida como a Árvore das Histórias.

Esta lenda, embutida na tradição oral do povo Chaga, é mais do que uma simples história; é uma cápsula do tempo que preserva a rica tapeçaria cultural e espiritual dessa tribo. Reflete as crenças na existência e influência do mundo espiritual sobre o físico, e na natureza como um ente vivo, capaz de interagir com os humanos de maneiras misteriosas.

Recomendado para si:   A Calcinha de Ferro

A Árvore das Histórias simboliza não apenas a perda e o luto, mas também a esperança, a transformação e a conexão inquebrável entre o céu e a terra. Ela ensina sobre a importância do respeito pela natureza e pelos espíritos ancestrais, e sobre como os sacrifícios e rituais desempenham um papel fundamental na manutenção da harmonia dentro da comunidade e do ambiente ao seu redor.

Esta narrativa, entrelaçada no contexto africano, destaca a sabedoria indígena e a profunda conexão do povo africano com a terra e o cosmos, reforçando a noção de que cada elemento da natureza carrega consigo uma história, uma lição ou um espírito a ser reverenciado.