Em um tempo em que a harmonia da vida selvagem era frequentemente desafiada pela astúcia e pela sobrevivência, vivia uma tartaruga que se deparou com uma escassez de sal. Sem ele, suas refeições tornaram-se insípidas, levando-o a buscar ajuda com seu irmão, que tinha sal de sobra.

“Como farei para transportar o sal até minha casa?” perguntou a tartaruga.

“Se você embrulhá-lo em um pedaço de tecido de casca e amarrá-lo com uma corda, posso colocar a corda sobre meu ombro e arrastar o pacote atrás de mim,” propôs a amiga tartaruga.

“Ideia genial!” exclamou seu irmão, e juntos prepararam o sal em um pacote ordenado.

Assim, a tartaruga iniciou sua jornada lenta de volta para casa, com o pacote esbarrando no chão atrás dela.

Repentinamente, seu avanço foi interrompido por um grande lagarto que havia saltado sobre o pacote de sal, reivindicando-o para si sob a premissa de que o encontrara pelo caminho.

“Desça do meu sal!” exclamou a tartaruga. “Como espera que eu o leve para casa com você em cima?”

“Não é seu sal!” replicou o lagarto. “Eu estava apenas caminhando pela trilha quando encontrei este pacote, então tomei posse dele e agora ele me pertence.”

Após uma troca acalorada de palavras, concordaram em levar o caso aos anciãos da aldeia para um julgamento justo.

Os anciãos, após ouvirem ambos os lados, e influenciados por laços familiares com o lagarto, decidiram dividir o sal ao meio, deixando a tartaruga com uma parte menor e menos protegida pelo tecido, fazendo com que a maior parte de seu sal se espalhasse pelo chão.

A tartaruga, embora desapontada e injustiçada, partiu para casa com apenas uma fração de seu sal, embrulhado em folhas e o que restava do tecido.

Recomendado para si:   Custo de Vida em Moçambique

A esposa da tartaruga ficou desapontada com o pouco sal que ele conseguiu trazer e indignada com o tratamento que ele recebeu. A longa jornada havia exaurido a tartaruga, que precisou de dias para se recuperar.

No entanto, a tartaruga, apesar de lenta, era astuta e logo elaborou um plano para se vingar do lagarto.

Depois de alguns dias de descanso, a tartaruga partiu em direção à casa do lagarto. Ao encontrá-lo desfrutando de uma refeição solitária de formigas voadoras, a tartaruga o surpreendeu, reivindicando-o como sua propriedade, seguindo a lógica anterior do lagarto sobre o sal.

Levando o caso aos anciãos, estes, buscando manter a consistência com o julgamento anterior, decidiram dividir o lagarto ao meio, permitindo que a tartaruga ficasse com uma parte.

E assim, a tartaruga executou o lagarto com rapidez, pondo fim à sua ganância.

Este conto do povo africano não só encanta com sua narrativa engenhosa, mas também reflete profundamente sobre a justiça, a astúcia e as consequências dos nossos atos. Ilustra a importância de resolver disputas de maneira justa e ponderada, destacando o valor da equidade e da responsabilidade em uma comunidade. A tartaruga, com sua persistência e inteligência, serve como um lembrete da eficácia da sabedoria e da paciência diante da adversidade, enquanto o trágico destino do lagarto adverte contra a ganância e a desonestidade.