Relatos de um estudante moçambicano: Parte 1: A História da Ana

A Ana era aluna do ensino Secundário e pretendia futuramente formar-se na faculdade como professora de português. Ela era boa aluna mas tem dificuldades com as disciplinas de inglês e francês, por isso ela costumava me pedir algumas explicações de inglês.

E eu notei que mesmo com esforço ela simplesmente não conseguia entender nada, e se continuasse assim certamente iria chumbar a inglês. Alguma coisa estava a faltar das classes anteriores, parecia que ela estava a ter inglês pela primeira vez, era como ensinar o abecedário a uma criança de 2 anos, e eu sempre me perguntava como é que ela havia conseguido chegar até a 12 sem saber nada daquela disciplina.

Os exames estavam próximos e ela tinha boas médias em todas disciplinas, excepto a inglês e francês, mesmo com o esforço que ela fazia para aprender. O professor de francês –  Tomé, que era um professor honesto e muito simpático, decidiu ajudar a miúda e deu-lhe um 11 – que era mais do que suficiente para ela ir ao exame. Tudo que ele exigiu em troca foi que ela tivesse boa nota no exame.

Vou te deixar ir ao exame, basta prometeres que vais passar. Foi o que ele disse.

Ela agradeceu imenso, e aliviada, só tinha que tentar pedir uma ajudinha ao professor Flávio que a ajudara no ano anterior na disciplina de inglês.

Ela conseguiu a nota para o exame depois de ter aceite fazer sexo com o professor, algo muito comum nas escolas secundárias. Quando ela me contou isso eu fiquei decepcionado e fui embora, mas depois de pensar um pouco eu fui lá ouvir o resto da história.

Recomendado para si:   A Sátira das Nossas Bebedeiras

A Ana teve boas notas nos exames em especial a inglês, embora ela me tenha dito que fizera mal o exame – o que me leva a pensar que ela esteve mais uma vez com o stor Flávio.

Ana não consegui entrar na Faculdade pública no primeiro ano, por isso ela ficou em casa, e nesse tempo ela teve um filho e passou a viver maritalmente com o .

No ano seguinte ela concorreu a uma vaga na Universidade Pedagógica e conseguiu entrar. Lá ela conheceu o Google, a Wikipédia e outras ferramentas excelentes de pesquisa, ao mesmo tempo que esquecia o caminho para biblioteca.

Hoje ela é professora de inglês das 10ª e 11ª classes. Sempre que conversamos ela reclama que os alunos não entendem nada. E como são todos burros, vão todos passar para a 12.

Eu preferi escrever esta pequena história, que é um retrato ameno daquilo que é o nosso sistema de ensino público para mostrar que infelizmente se este círculo vicioso continuar como está, não haverá cura para nossa educação.