Houve uma época, num recanto africano, em que um jovem chamado Murilé era constantemente repreendido por sua mãe, que o criticava por tudo. Nada do que ele fazia era suficiente; mesmo seus melhores esforços eram recebidos com desprezo.

Cansado dessa situação, Murilé pegou o banquinho de seu pai, uma relíquia de inúmeras gerações, sentou-se sobre ele e recitou todos os encantamentos mágicos que conhecia. Subitamente, o banquinho levantou voo em direção à lua.

Ao aterrissar na lua, Murilé encontrou-se em uma vila e pediu informações sobre como chegar à morada do Chefe da Lua. Os aldeões pediram que ele trabalhasse para eles em troca das informações. Com o tempo, gostaram tanto de Murilé que lhe disseram como chegar ao seu destino.

Quando chegou à vila do Chefe da Lua, Murilé ficou chocado com o atraso do povo. Eles desconheciam o fogo; comiam sua carne crua, não possuíam cerâmica e tremiam de frio à noite.

Murilé então fez fogo com gravetos, o que o tornou um grande herói para o povo da lua e o favorito do Chefe da Lua. Ele foi aclamado como o maior mago que o povo já conhecera.

Em reconhecimento aos seus serviços, Murilé foi coberto de presentes e honrarias. O Chefe da Lua e seus súditos ofereceram-lhe incontáveis cabeças de gado e esposas. Todo pai queria que Murilé casasse com suas filhas. Em pouco tempo, ele se tornou um homem muito rico, com muitas esposas e gado.

Preparando-se para retornar triunfante à Terra, Murilé pensou: agora sua mãe veria que ele havia se tornado alguém de valor.

Ele enviou seu amigo, o pássaro zombeteiro, para anunciar seu retorno iminente à Terra. No entanto, sua família nem acreditava mais que o filho estivesse vivo; haviam-no dado por morto há muito tempo.

Recomendado para si:   Da loucura da sombra ao banquete da língua

Quando o pássaro voltou à Lua com seu relatório, Murilé mal podia acreditar que ele havia falado com sua família.

Então, o pássaro zombeteiro voltou à vila terrena de Murilé e trouxe de volta o bastão de caminhada de seu pai como prova da visita. Finalmente convencido, Murilé preparou-se para retornar à Terra.

Ele vestiu suas esposas e muitos filhos com suas melhores roupas e cobriu-os de joias. Com tanta riqueza para exibir, sua mãe certamente ficaria impressionada. Com tal comitiva, Murilé mal poderia viajar de volta no banquinho mágico, então todo o grupo partiu a pé.

Murilé logo se viu exausto, dada a grande distância entre a Lua e a Terra.

Um de seus melhores touros lunares disse a Murilé que possuía magia lunar e que o transportaria de volta à Terra em troca de uma promessa.

Murilé deveria prometer nunca matá-lo nem comê-lo. Murilé consentiu alegremente. Assim, o touro transportou Murilé e sua comitiva de volta à Terra.

A família de Murilé na Terra ficou entusiasmada ao vê-lo, maravilhando-se com sua riqueza e sua nova família.

Até sua mãe ficou feliz em tê-lo de volta. Consistente com seu caráter, ela se gabava para todos do filho rico e poderoso.

Murilé fez seus pais jurarem nunca prejudicar o touro mágico da Lua que o trouxera de volta, e eles concordaram.

No entanto, com o passar do tempo, Murilé e seus pais esqueceram a promessa. Afinal, Murilé tinha tantos animais que provavelmente esqueceu qual era o touro.

Então, seus pais mataram o touro, e a mãe de Murilé preparou um prato temperado com sua gordura e caldo.

Naquela noite, enquanto Murilé se prepar