Afonso Dhlakama

 (nascido em 01 de Janeiro de 1953) é um político moçambicano e líder da RENAMO, o principal partido político da oposição em Moçambique, anteriormente um movimento de guerrilha anti-comunista que combateu o governo da FRELIMO na guerra civil de Moçambique (977), antes de assinar um acordo de paz e se tornar um partido político de oposição no início dos anos 1990. Dhlakama nasceu em Mangunde, Província de Sofala.

Guerra Civil em  Moçambique

Após o primeiro líder da RENAMO, André Matsangaissa, ser morto pelas forças do governo de Moçambique, em 1979, Dhlakama assumiu a liderança. Em 1984, Dhlakama era tanto comandante-em-chefe das forças da RENAMO e chefe do órgão regulador, o Conselho Executivo de 12 membros. Como líder da RENAMO Dhlakama buscou desestabilizar o governo da FRELIMO, através de estratégias de guerrilha. Sob seu comando RENAMO atingiu o auge de seu poder, controlando grande parte do país, especialmente no norte do país. Foi capaz de realizar ataques em praticamente qualquer lugar fora das grandes cidades. Na sua luta, a RENAMO foi apoiada por círculos conservadores de alguns países ocidentais, incluindo os Estados Unidos, a Alemanha Ocidental, e principalmente pelos governos racistas da Rodésia e África do Sul para os quais o Moçambique dirigido pela Frelimo era um alvo, devido ao seu apoio a movimentos de resistência nos seus respectivos países. No entanto, o fim da guerra fria, o colapso do regime Smith e a transição que decorria na África do Sul, eventualmente, privou a RENAMO de apoios financeiros e fornecimento de armas. Assim, a RENAMO e a FRELIMO, que também havia perdido seus apoiantes do bloco de poder oriental, finalmente assinaram um tratado de paz em Outubro de 1992. A RENAMO posteriormente transformou-se num partido político legal sob a contínua liderança de Afonso Dhlakama.

Alegação de crimes de guerra e crimes contra a humanidade

Segundo o Departamento de Estado dos EUA e algumas outras fontes, sob a liderança de Dhlakama, a RENAMO teria cometido sistematicamente crimes contra a humanidade durante a guerra. Estes incluem assassinato em massa e mutilação de não-combatentes durante ataques a aldeias e vilas, bem como recrutamento forçando de civis para a guerrilha da RENAMO, embora a FRELIMO tivesse usado métodos similares durante sua luta contra o colonialismo Português. O que difere é o rapto de crianças, a fim de usá-los como crianças-soldados. Estima-se que um terço das forças da RENAMO eram menos de 18. As pessoas raptadas também tiveram que servir à RENAMO em serviços administrativos ou públicos nas áreas que controlava. Os que recusavam-se a trabalhar para a RENAMO poderiam ser espancados ou até mesmo executados. Uma prática particularmente horrível era a mutilação e assassinato de crianças dos pais que fugiam.

Actividade pós-Guerra Civil

A actividade política

Dhlakama competiu como o candidato da RENAMO em todas as eleições presidenciais multipartidárias realizadas em Moçambique. Em 1994, ele foi derrotado pelo presidente e candidato da FRELIMO, Joaquim Chissano, por uma margem de 53,3% para 33,7%. Ele recebeu 47,7% dos votos na eleição presidencial de 1999, com Chissano conseguindo 52,3%. Na eleição presidencial de Dezembro 2004, ele foi derrotado pelo candidato da FRELIMO, Armando Guebuza, que recebeu 63,7% dos votos contra os seus 31,7%. Em 2009 seguiu a derrota histórica com apenas 16,4 % dos votos a nível nacional nas eleições presidenciais de 2009.

Os observadores internacionais das eleições criticaram o facto de a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) não realizar eleições inteiramente justas e transparentes. Eles apresentaram uma série de falhas graves por parte das autoridades eleitorais que beneficiaram o partido no poder FRELIMO. Alguns acreditam que o resultado das eleições parlamentares e a distribuição dos lugares na Assembleia Nacional não reflecte a vontade do povo moçambicano.

Após a criação do Conselho de Estado, órgão encarregado de assessorar o Presidente, Dhlakama foi incluído no Conselho devido ao seu papel como líder da oposição, ele e os outros membros do Conselho foram empossados ​​em 23 de dezembro de 2005. Ele disse que aceitou o seu lugar no Conselho em prol da estabilidade nacional.
Dhlakama foi ferido em um acidente de carro em Maputo em 10 de junho de 2007. Um porta-voz da RENAMO afirmou que foram lesões menores.

Embora a RENAMO tenha aparentemente enfraquecido pela defecção de Daviz Simango, que formou um novo partido, Dhlakama foi reeleito para mais um mandato de cinco anos como líder da RENAMO em 22 de Julho de 2009, no congresso do partido na província de Nampula, derrotando outro candidato, Rogério Francisco João.

Ameaças Guerra

Dhlakama tem repetidamente ameaçado restabelecer as forças armadas da RENAMO e deixar o país a “arder”.  Em 2011, ele afirmou que a RENAMO estava preparando uma “revolução” para tirar o governo do poder e estabeleceu novos quartéis para esta finalidade.

Em Outubro de 2012, Dhlakama mudou-se para antiga sede da RENAMO em Gorongosa, onde criou um campo de treinamento para várias centenas de seguidores parcialmente armados. Ele ameaçou destruir o país caso suas reivindicações políticas não fossem cumpridas. No entanto, a imprensa local tomou esta ameaça como mais um blefe, duvidando de que Dhlakama tivesse os meios para iniciar qualquer insurreição séria.

Em Abril de 2013, os militantes da Renamo atacaram a sede da polícia na cidade central moçambicana de Muxungue. Quatro agentes da polícia e um civil foram mortos, enquanto dez soldados foram hospitalizados. De acordo com a polícia, o líder dos atacantes também foi morto. Os homens tentavam libertar quinze de seus companheiros que haviam sido presos numa acção policial num acampamento da Renamo no dia anterior. A polícia afirmou que a Renamo estava a realizar treinamento militar ilegal no acampamento. Um porta-voz da Renamo declarou que “Os nossos soldados desmobilizados vão retaliar contra qualquer ataque e não apenas no local onde ele ocorre, mas em todo o país, incluindo […] Maputo”. Dhlakama confirmou mais tarde que ele havia ordenado pessoalmente o ataque ao posto policial.

Em 17 de Outubro, supostos guerrilheiros da RENAMO emboscaram uma patrulha militar perto de Gorongosa, reduto da RENAMO, matando sete soldados, segundo a imprensa local. Seguiram novos confrontos e em resposta, em 21 de Outubro, as forças da FADM ocuparam a base de Satungira. O porta-voz da RENAMO Fernando Mazanga afirmou que as forças do governo haviam bombardeado a base com artilharia pesada, e que Dhlakama havia fugido da base. Uma declaração RENAMO disse que a captura da base coloca um fim ao acordo de paz de 1992.

2013/14

Para o partido da “perdiz”, Afonso Dhlakama continua a ser alternativa governativa para o país. “Há muitos moçambicanos que acreditam que o presidente Afonso Dhlakama é a solução para os problemas do país”, declarou.

Referências

http://newhistories.group.shef.ac.uk/wordpress/wordpress/?p=2867

http://allafrica.com/stories/200610050632.html

http://www.kas.de/upload/auslandshomepages/election-moza_final-report.pdf

http://www.poptel.org.uk/mozambique-news/newsletter/aim311.html

http://www.noticias.mmo.co.mz/2013/07/o-discurso-de-guerra-de-dhlakama.html

http://www.noticias.mmo.co.mz/?s=renamo+ataques&submit=Pesquisar

http://www.noticias.mmo.co.mz/2012/12/renamo-agiremos-militarmente-e-os.html

http://www.reuters.com/article/2013/10/17/us-mozambique-guerrillas-idUSBRE99G0UG20131017

http://www.noticias.mmo.co.mz/2014/03/tropas-governamentais-voltam-a-bombardear-gorongosa-e-inhaminga.html

http://www.noticias.mmo.co.mz/2014/01/dhlakama-vai-concorrer-nas-presidenciais.html

Artigo anteriorFilipe Jacinto Nyussi
Próximo artigoArmando Emílio Guebuza